Tudo começa de algum lugar, especialmente uma indústria que vale bilhões de dólares. 

Com o ressurgimento de diversos hits do começo do milênio e o novo projeto da SM de relançar clássicos dos grupos da primeira geração, é interessante que os novos (e antigos que se perderam um pouco) fãs de k-pop entendam o que foi esse comecinho de indústria.

De começo, vamos delimitar o conceito de geração que a que vos fala vai usar para definir os períodos de tempo: Baseado 100% na minha interpretação histórica. Dividi cada geração baseada em debuts de grupos que eu vejo que moldaram a geração seguinte, então a primeira geração começa em 1992 e termina em 2003.

E eu também vou dar meu melhor para cobrir os grupos mais “icônicos”, mas vão passar vários grupos muito daoras que são extremamente importantes para a indústria porque é difícil colocar tudo em uma só matéria

A primeira geração é definida por uma Coreia que está aprendendo a viver e experienciar música. 

Então, qual o cenário da Coreia no começo dos anos 90? Um país que estava saindo de uma ditadura, com sua primeira eleição democrática sendo sediada em 87.Durante o período de ditadura, o que hitava nas rádios eram ballads e trot (gênero como nosso sertanejo).

Até que um ex-baixista de uma banda de heavy metal se junta com dois dançarinos e vai em TV aberta com raps, roupas chamativas e uma letra afiada.

As músicas nas rádios não representavam uma juventude que vivia o boom econômico da Coreia e que cresceu no meio tão violento que foi a ditadura, e é quando esses três jovens chegam e cantam sobre aquilo que toca uma geração “órfã” de cultura que é quase “palpável” a história que foi feita nesse stage.

O stage de I Know do trio “Seo taiji and boys” em 11 de abril de 1992 é —de longe— um dos maiores divisores de águas da indústria musical mundial.

A performance foi realizada em um programa de talentos da MBC. O apresentador não sabia muito bem o que fazer quando os referia como “talentos do rap”, ainda era um gênero muito distante, escutado somente pelos soldados estadunidenses que ficaram na Coreia pós-guerra (sim, eles nunca deixaram a península, visto que a guerra nunca realmente acabou, mas isso é assunto para uma outra matéria). Seo Taiji and boys abriu ali as portas para um novo gênero musical, com sua mistura de sons tipicamente estadunidenses e uma melodia tipicamente coreana, e a coreografia, que era parte essencial da performance.

Yang Hyun Suk e Lee Juno dançando em uma sincronia perfeita enquanto Seo Taiji cantava vestido em um uniforme escolar sobre aquilo que tocava a juventude de um país. Ninguém tinha ouvido nada do tipo e, os adultos do painel de júri não entenderam muito bem, mas pode ter certeza que os adolescentes que começaram a usar blusas verde fluorescente e a aprender a performar entenderam muito bem

 

E na verdade essa discrepância geracional fazia com que o trio caísse sempre em controvérsias. Puxando os limites do que era aceitável no mainstream, Seo Taiji and Boys já até foram acusados de pacto satanista, mas uma dessas controvérsias foi um pouquinho mais política. Logo após o disband do grupo, foi lançado o single “Regret of the times” o qual, na época, tinha sido banido pela pré-censura. (Por mais que a ditadura já tivesse acabado nessa altura do campeonato, ainda havia o processo de censura antes das musicas serem autorizadas de tocar nas rádios/televisão)

E os fãs….realmente não gostaram disso, e demandaram que a música fosse lançada do jeito certo. Essa música é creditada pela queda da censura, uma vez que após toda a pressão, a música foi lançada meses depois com as letras controversas e completas e o sistema de pré censura caiu.

 

E a curta—porém icônica— existência do Seo Taiji apresentou muitas das fundações que carregam o K-pop até hoje. Não somente mudaram o som da música popular coreana, mas também solidificaram a conexão entre dança, música e moda, assim como criar uma conexão especial e direta com seus fãs.

Os fãs não somente consumiam as músicas, eles aprendiam as coreografias, vestiam o que eles vestiam, escreviam suas próprias músicas inspirados pelas músicas de Seo Taiji. Era muito além de um consumo passivo de produto, era como fazer parte de algo muito maior.

 

A experiência kpopper começa ali.

 

Mas o k-pop nunca foi uma questão isolada e isso nos traz para a empresa protagonista da geração: SM entertainment

Lee Soo Man, o fundador da SM, foi até os Estados Unidos quando a ditadura da coreia chegou em seu ápice, na mesma época que a lendária MTV foi ao ar. Lá, o antigo cantor de música folk foi exposto ao pop estadunidense que marca a música mundial até hoje, como Michael Jackson e…ele amou. Voltando à Coreia, ele apresenta ao país sua nova “música de computador” e junta uma graninha para debutar seu primeiro artista: Hyun Jin Young.

O MIDI ou Musical Instrument Digital Interface (a.k.a a música de computador do Lee Soo Man) permitiu que produtores criassem música usando instrumentos e efeitos digitais então, ao invés de ter que contratar uma banda inteira para gravar o instrumental, ter que alugar estudio, comprar microfones para cada instrumento etc, o MIDI permitiu que os produtores construíssem uma música inteira com apenas alguns botões. 

É… bom, mesmo com todo o investimento que o dono da mais nova “SM studio” colocou em Hyun Jin Young…o primeiro álbum “New Dance” flopou, o que não é chocante nem nada, uma vez que artistas precisam de tempo para crescer, mas o que rolou foi que Hyun Jin Young foi preso por suspeita de algumas atividades ilegais.

Esse caso colocou a SM em observação seríssima da polícia e vários dos empregados saíram da empresa para não terem seus nomes envolvidos. Mas Lee Soo Man, vendo o sucesso de Seo Taiji, tentou novamente lançando o segundo álbum de Hyun Jin Young, “New dance 2”…e funcionou!

…Até que a empresa que distribuía os álbuns declarou falência…e todas as cópias do álbum foram confiscadas após hyun jin ter sido preso novamente.

As coisas não andavam muito bem, mas lee soo man estudou o sucesso de Seo Taiji and Boys e fez a fórmula do sucesso.

A lenda diz que depois de debutar mais um artista de ballads que não fez tanto sucesso, Lee Soo man foi atrás diretamente do público alvo que fez o sucesso de Seo Taiji and boys: Garotas Adolescentes. Fazendo  uma pesquisa de mercado, Lee Soo Man entendeu o que fangirls queriam em um grupo musical e com isso H.O.T debuta em 7 de setembro de 1996

High five Of Tenagers foi o maior ato idol dos anos 90. Grandes do nível: O metrô de Seoul ficava aberto por mais tempo para todo mundo voltar para casa depois dos shows do H.O.T.

O primeiro álbum do h.o.t “We hate all kinds of violence” era ainda na vibe do recém-disbanded Seo Taiji and Boys, com a raiva da juventude contra as autoridades e raps tanto em coreano como em inglês (um abraço Tony). A vibe adolescentes cantando para adolescentes continuou, e virou um padrão da indústria idol.

Note que é o primeiro momento que o termo “idol” é abordado. É que ele só surge aqui.

Durante a pesquisa de Lee Soo Man, ele se inspirou no começo de uma “ideia” de idol e trainees que o Japão estava explorando e trouxe esse conceito para a Coreia, aprimorando o sistema de trainee que é uma das marcas mais importantes do k-pop 

Heejun, Woo Hyuk, Tony, Kangta e Jae Won são os primeiros idols de k-pop, por assim dizer.

O japão já tinha um conceito para os fanclubs desde o começo dos anos 80. Mas diferente do que a Johnny’s & Associates (empresa que merece uma matéria inteira sobre), Lee Soo Man queria ter certeza que os “buracos” que a indústria japonesa deixava em seus fanclubs estavam cobertos.

A SM fez os fãs realmente se sentirem integrados com o grupo, e assim preservar a marca H.O.T, já que pegava aquilo que eram os “projetinhos de fã”, como fanchants, nomes e cores de fandom por exemplo, capitalizou e criou controle em cima.

H.O.T completamente estourado —entre o público, os críticos demoraram um pouco para aceitar o novo gênero—, mas k-pop que é k-pop também inclui…fanwars.

No comecinho de 97, a DSP debutou o Sechskies. 

 Eles estouraram também e, como a experiência kpopper já havia começado, as white angels do h.o.t —representadas pela cor branca— e as yellowskies— representadas pela cor amarela— travam a primeira rivalidade do k-pop.

Inclusive ambos os grupos já contaram em entrevistas como até seus staffs tinham entrado nessa rivalidade, em que managers dariam seu melhor para conseguir as melhores salas de espera em programas musicais e os estilistas se sentiriam vitoriosos se seus idols estivessem mais bem vestidos. 

E essa disputa entre as duas grandes empresas da geração continuou com os girl groups debutados por ambas no final dos anos 90

O S.E.S na SM e o Fin.K.L pela DSP.

Lee Hyori, membro do Fin.k.l e um dos maiores nomes na Coreia hoje em dia, contou que durante algum tempo, o S.E.S usava bolhas de sabão em seus stages e isso tornava o palco muito escorregadio. Um dia, o Fin.k.l teve a oportunidade de apresentar antes do S.E.S e pediram para que os staffs caprichassem no spray de neve falsa (usado na promoção da musica “White”). A “vingança” não saiu como o esperado e na real prejudicou o Fin.k.l.

“Ah ok então foi isso, só subida, SM vs DSP, idols etc e eles foram daquele ponto para o lugar incrível de uma das maiores indústrias de entretenimento mundial”

..Não.

Toc toc. É quebra da bolsa de Hong Kong.

Em 1997, houve uma crise gigantesca econômica na Ásia e a Coreia foi um dos países que mais foi afetado por isso.

O K-pop surge com o crescimento absurdo econômico que a coreia teve pós ditadura, mas com esse dinheiro abundante caindo no país, grupos idols não eram mais prioridade do público.

Era o fim do k-pop…Se não fosse uma das jogadas de expansão que as empresas tiveram.

A Coreia ainda estava meio tonta do baque da crise econômica, mas países como Japão e China estavam dispostos a consumir o Hallyu, uma vez que eles já eram países que haviam começaram a se familiarizar com produções audiovisuais coreanas (ainda não houve a grande popularidade do k-drama que é marcado como o divisor  de águas da hallyu, o “winter sonata”, já que essa só veio em 2002)

Então a gente já vê algumas tentativas de expandir, com alguns lançamentos em diferentes línguas, grupos com mais membros estrangeiros…

Uma das artistas que mostra bem essa expansão bem de começo da indústria: BoA

A rainha do k-pop debutou solo em 2000 com 13 aninhos e já correu atrás de expandir sua marca pela indústria, lançando seu primeiro álbum single japonês em 2001.

Mas abordamos a lenda melhor depois, porque 2003 vem, e com ele a nova geração: O debut do TVXQ.

 

 

 

 

 

 

 

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
632
giuds
Estudante de jornalismo se preparando para ser a próxima mc do kiss the radio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você pode gostar

Mais em Outros